Coluna semanal Público

O Institute of Public Policy iniciou, em maio de 2017, uma parceria com o jornal Público, com um espaço semanal de opinião (às segundas-feiras), em que a nossa equipa de investigação contribuirá com artigos em linha com os valores do IPP: análises rigorosas e independentes sobre temas atuais das instituições e políticas públicas.

Os temas a abordar concentram-se nas quatro áreas de investigação do IPP: i) política económica na União Europeia, ii) boa gestão da Administração Local e Central, iii) democracia e responsabilidade política, e iv) políticas sociais e justiça social.

No âmbito desta cooperação, já foram publicados os seguintes artigos:

  • “Pensões e Espartilhos”, por Ana Fontoura Gouveia (associada IPP), na edição de 12 de novembro, onde desmistifica a perceção do trabalho dos mais velhos em Portugal e recomenda alternativas.
  • “Teletrabalho: incentivar a natalidade à distância”, por Carina Pinto (associada IPP), na edição de 5 de novembro, onde a autora expõe a realidade portuguesa sobre o trabalho à distância e os progressos que são necessários fazer.
  • “Valem a pena mais dez anos de Web Summit?”, por Pedro Manuel Costa (associado IPP), na edição de 29 de outubro, onde discute sobre o permanência por mais 10 anos do Web Smmit em Portugal e o ecossistema do empreendedorismo que o rodeia.
  • “O espaço do Liberalismo em Portugal“, por João Pedro Castro Mendes (associado IPP), na edição de 8 de outubro, onde reflete sobre o Liberalismo em Portugal e o seu lugar na sociedade portuguesa.
  • “Que pensões podemos esperar?”, por Joana Andrade Vicente (investigadora IPP), na edição 24 de setembro, onde discute sobre  a sustentabilidade financeira dos sistemas públicos de pensões, remetendo para o evento do dia 28 de setembro sobre a mesma temática.
  • “O ensino público e o nosso futuro coletivo”, por João Pedro Castro Mendes (associado IPP), na edição 17 de setembro, onde marca uma posição forte sobre o ensino público (não necessariamente gerida pelo Estado), o papel dos pais e o papel do Estado.
  • “A clear horizon – um exemplo para Portugal”, por Luís Teles Morais (diretor executivo IPP), na edição de 3 de setembro, onde reflete sobre a nova imagem da Nova School of Bussines and Economics (Nova SBE) e o seu enquadramento na economia portuguesa como iniciativa inovadora.
  • “E se não tivéssemos só uma profissão ao longo da vida?”, por Pedro Pita Barros (direção IPP), na edição de 27 de agosto, onde repensa a organização da nossa sociedade para acomodar trajetos de vida mais heterogéneos, face ao aumento da longevidade (em boas condições de saúde) derivado da proposta do Governo de, alterar a idade máxima em que se pode exercer atividade remunerada na função pública.
  • “Ciência europeia: noves fora tudo”, por Ana Correia Moutinho (ISEG e Conselho Estratégico IPP), na edição de 20 de agosto, desafia a comunidade científica e a sociedade civil a discutirem o novo Programa Quadro europeu de apoio à ciência.
  • Brincar ao “Brexit” em tempos de Trump“, por João Pedro Castro Mendes (associado IPP), na edição de 6 de agosto, sobre os estado das negociações do Brexit em tempos de Trump e o seu impacto na ordem global.
  • Trabalho em Portugal na era digital“, por Joana Andrade Vicente (investigadora IPP), na edição de 23 de julho, que no âmbito da sua participação no livro “Work in the Digital Age: Challenges of the Fourth Industrial Revolution”, refletiu sobre o que os desafios da quarta revolução indsutrial (conhecida por Indústria 4.0) significam para Portugal e para a geração millenial.
  • O incipiente debate público e político sobre pensões em Portugal”, por Luís Teles Morais (diretor executivo IPP), na edição de 16 de julho, onde critica a atenção mediática e discussão política em torno do sistema público de pensões: o debate incipiente contribui para a reduzida compreensão pelos cidadãos sobre o sistema, e para decisões políticas menos transparentes.
  • Vamos falar sobre a saúde mental?”, por Sofia Serra da Silva (associada IPP), na edição de 9 de julho, sobre o estado da saúde mental em Portugal e no Mundo e as políticas públicas que deveriam ser tomadas.
  • O Estado e as Startups: ajuda ou bloqueio?“, por Pedro Manuel Costa (associado IPP), na edição de 2 de julho, sobre as ideias debatidas no evento organizado pelo IPP, “Portugal e as Startups: Riscos, oportunidades e o papel do Estado”.
  • A nossa economia dava uma filme“, por José Borges Alves (associado IPP), na edição de 18 de junho, sobre a transformação da economia portuguesa como resultado de uma nova abordagem  orçamental.
  • Fazer oposição“, por João Pedro Castro Mendes (associado IPP), na edição de 11 de junho, sobre o contributo valioso de uma oposição com um programa política claro, rigoroso, fundamentado e credível, possível de transformar propostas em medidas políticas concretas.
  • A importância da Economia (do bem comum)“, por Joana Pais (associado IPP), na edição de 14 de maio, sobre a importância do trabalho do prémio Nobel da Economia Jean Tirole, no contexto da era digital e da regulação de empresas com poder de mercado.
  • Internacionalizar não é fácil“, por Pedro Costa (associado IPP), na edição de 07 de maio, sobre a dificuldade das empresas se internacionalizarem, e da necessidade de ter as pessoas certas e recursos para que tal aconteça.
  • Para que serve a “carga fiscal”?“, por Joana Andrade Vicente (investigadora IPP), na edição de 30 de abril, sobre a importância de se perceber para que é utilizado o dinheiro arrecadado com os impostos.
  • A encruzilhada europeia“, por João Pedro Mendes (associado IPP), na edição de 23 de abril, sobre o atual debate de temas relacionados com a União Europeia.
  • Quatro pilares para um “país startup“”, por Pedro Costa (associado IPP), na edição de 09 de abril, sobre a importância de Portugal ter verdadeiras incubadoras e aceleradoras que fomentem o crescimento exponencial.
  • Fogacho empreendedor?“, por Pedro Manuel Costa (associado IPP), na edição de 2 de abril, sobre o estado atual do ecossistema tecnológico português.
  • Girar a tômbola da ciência“, por Ana Correia Moutinho (Associada IPP), na edição de 12 de março, sobre as candidaturas na área científica.
  • A luta pela alma da democracia“, por João Pedro Mendes (Associado IPP), na edição de 5 de março, sobre a democracia moderna e a luta contra o populismo.
  • Outro julgamento de Lula“, por Henrique Lopes Valença (investigador associado IPP), na edição de 12 de fevereiro, sobre a condenação de Lula da Silva.
  • As mulheres e as CTEM“, por Francisca Guedes Oliveira (Conselho Científico IPP e Católica Porto), na edição de 29 de janeiro, sobre a importância das mulheres estarem presentes em cargos nas áreas CTEM.
  • O consenso franco-alemão para o euro?“, por Luís Teles Morais (diretor executivo do IPP), na edição de 22 de janeiro, sobre um ensaio de economistas franceses e alemães sobre a reforma da zona euro.
  • Startups à procura do El Dorado“, por Pedro Manuel Costa (associado do IPP), na edição de 15 de janeiro, sobre alguns dos aspectos que podem melhorar as condições para o crescimento das startups em Portugal.
  • Competir“, por João Pedro Castro Mendes, na edição de 8 de janeiro, sobre a prioridade que as políticas públicas devem ter sentido de melhorar o ambiente de concorrência económica.
  • Reforma do Estado, what else?“, por José Alves (Investigador Associado do IPP), na edição de 28 de dezembro, sobre as reformas contínuas do Estado.
  • Austeridade: uma ilusão perigosa“, por Sofia Serra da Silva (Investigadora Associada do IPP), na edição de 11 de dezembro, sobre o conceito de austeridade no debate público.
  • Endireitar o Direito“, por João Pedro Castro Mendes (Associado IPP), na edição de 06 de novembro, numa reflexão e análise às vertentes do Direito.
  • Carles e Emmanuel sonham“, por Luís Teles Morais (IPP/ISEG), na edição de 30 de outubro, numa análise paralela entre Carles Puigdemont i Casamajó e Emmanuel Macron.
  • Em defesa do pluralismo“, por João Pedro Castro Mendes (Associado do IPP), na edição de 16 de outubro, sobre a importância do pluralismo político na democracia.
  • Combater a invisibilidade na ciência“, por Ana Correia Moutinho (Conselho Científico e Estratégico do IPP), na edição de 09 de outubro, sobre as razões pelas quais o trabalho na ciência não deve ser invisível.
  • Cartão Vermelho para o PSD?“, por Marina Costa Lobo (Vice-Presidente do IPP), na edição de 02 de outubro, sobre o desempenho dos vários Partidos políticos nestas últimas eleições autárquicas.
  • Como fugir aos impostos!, por José Borges Alves (Investigador Associado IPP) na edição de 18 de setembro, sobre como “fugir” aos impostos.
  • O que queremos”, por Pedro Pita Barros (direção IPP/NOVA SBE), na edição de 28 de agosto, sobre o que será desejável para o Orçamento do Estado para 2018.
  • Repensar as sociedades comerciais”, por João Pedro Mendes (associado do IPP), na edição de 21 de agosto, sobre a necessidade de modernização do Código das Sociedades Comerciais.
  • Globalização pop”, por Henrique Lopes Valença (investigador associado do IPP, mestrando em Desenvolvimento Internacional na Universidade de Manchester), na edição de 24 de julho, sobre o impacto dos ganhos da globalização, não só entre países, mas também dentro de cada país.
  • Pequenas alterações, grande impacto”, por António Silva (associado do IPP, senior advisor na Behavioural Insights Team, research associate na University College London), na edição de 17 de julho, sobre o uso das ciências comportamentais nas políticas públicas, permitindo aos cidadãos fazerem escolhas melhores.
  • Parlamento 2.0”, por Sofia Serra da Silva (investigadora associada do IPP), na edição de 10 de julho, sobre a comunicação do Parlamento Português aos cidadãos através da Internet, propondo melhorias para o novo website e as vantagens das redes sociais neste campo.
  • Concordamos em discordar, mas comecemos por salvaguardar o euro”, por Francesco Franco (membro da direção do IPP), na edição de 3 de julho, defende que o reforço do quadro institucional da economia do euro deve passar por atribuir rapidamente ao Banco Central Europeu a função de “lender of last resort”.
  • A fome e a vontade de comer”, por Luís Teles Morais (diretor executivo do IPP), na edição de 26 de junho, a propósito do papel de reflexão apresentado pela Comissão Europeia sobre a governação da área euro, defende que o Comissário Pierre Moscovici deve assumir a liderança do Eurogrupo.
  • A very British mess”, por João Pedro Mendes (associado do IPP), na edição de 19 de junho, numa análise sobre o processo do Brexit.
  • A economia circular da ciência”, por Ana Correia Moutinho (membro do Conselho Científico e Estratégico do IPP), na edição de 12 de junho, sobre a importância da comunidade científica e o investimento devido à investigação e à ciência.
  • Reformar a Segurança Social. Mas em quê?”, por Daniel Carolo (investigador associado do IPP), na edição de 5 de junho, sobre a reforma da Segurança Social e algumas contradições na discussão sobre o tema.
  • Aos nossos sucessos”, por Francisca Guedes de Oliveira (membro do Conselho Científico e Estratégico do IPP), na edição de 29 de maio, sobre o impacto dos sucessos económicos em Portugal.
  • Desta vez é diferente!”, por José Alves (investigador associado do IPP), na edição de 20 de maio, sobre o crescimento da economia em Portugal.
  • Millennials: uma geração de oportunidades?”, por Joana Andrade Vicente (investigadora do IPP), na edição de 15 de maio, sobre a geração dos millennials: perspetivas laborais e de qualidade de vida, e impacto que representa para o projeto da UE.
  • Macron e as coabitações”, por Marina Costa Lobo (membro da direção do IPP), na edição de 7 de maio, sobre os equilíbrios políticos em França, e como o novo Presidente terá de os gerir para poder implementar as reformas que defende.
  • O verdadeiro problema do Eurogrupo”, por Luís Teles Morais (diretor executivo do IPP), na edição de 1 de maio, onde é abordada a questão sobre quem deveria ser o próximo Presidente do Eurogrupo.