Open Budget Survey

O Open Budget Survey (OBS – Inquérito sobre o Orçamento Aberto) é o único indicador mundial que permite medir e comparar internacionalmente a transparência, a participação pública, e a fiscalização do processo orçamental. Este estudo, liderado pela International Budget Partnership (um think tank de Washington) a cada dois anos, é conduzido de forma descentralizada, havendo uma equipa responsável pela análise da situação nacional em cada um dos 115 países que participam nesta iniciativa. Em Portugal, o parceiro deste projeto é o Institute of Public Policy desde a edição de 2015.

As conclusões do OBS resultam de um inquérito objetivo e rigoroso composto por 145 perguntas de investigação que avaliam três domínios fundamentais: transparência, participação e fiscalização. A cada país é atribuída uma pontuação de 0 a 100 nestes domínios (que determina a sua classificação no Open Budget Index – Índice do Orçamento Aberto), com base na análise da documentação orçamental publicamente disponível.

São oito os documentos-chave orçamentais analisados: Programa de Estabilidade, Proposta de Orçamento do Estado, Orçamento do Estado Aprovado, Orçamento Cidadão, Execução Orçamental, Revisão Semestral, Conta Geral do Estado, e Parecer do Tribunal de Contas.


Open Budget Survey 2017

Apesar dos progressos, o Orçamento português continua menos transparente que o da Rússia ou do Brasil. E as oportunidades concedidas aos cidadãos para participar no processo de decisão sobre os recursos públicos são muito escassas. É esta a conclusão do relatório internacional Open Budget Survey 2017. Portugal, nas classificações atribuídas pelo inquérito, “passa à tangente”: está num nível “significativo”, mas tem um longo caminho a percorrer na melhoria da transparência orçamental, continuando fora do grupo da frente, com uma pontuação de 66 pontos em 100.

Porém, é substancialmente superior ao resultado médio mundial, de 42 pontos. O primeiro orçamento da “geringonça” analisado por este indicador mundial melhora face ao Orçamento de 2015, ainda que muito ligeiramente: no OBS 2015 Portugal havia alcançado um resultado de 64 pontos. Com este resultado, Portugal apresenta um processo orçamental que é menos transparente do que o presente em diversos países com pontuações piores no Índice de Desenvolvimento Humano: como, a leste, a Bulgária, a Geórgia ou a Roménia, ou ainda os sul-americanos Brasil, Peru ou México. Ao nível europeu, os países nórdicos lideram as classificações como os melhores países em transparência orçamental.

Mas, de uma forma global, nem tudo é negativo. Portugal está classificado como o 22.º país do mundo com um melhor índice de transparência orçamental – apenas uma posição abaixo da que detinha em 2015. A descida deve-se, em parte, à não publicação do Orçamento Cidadão, contrariamente ao que se havia verificado no Orçamento de 2015. Contudo, há outras lacunas eventualmente mais graves. Melhorar o resultado mínimo na escala da participação pública – com 15 pontos em 100 possíveis – deve ser prioritário. As oportunidades de participação pública no processo orçamental são muito poucas (sendo mesmo zero no que diz respeito à intervenção do executivo).

No domínio da fiscalização orçamental, o desempenho do poder legislativo em Portugal é considerado “adequado” apenas no que se refere à fase de formulação/aprovação pelo Parlamento (86 pontos em 100), sendo que a fase de execução/auditoria é classificada como “limitada” (53 em 100). Também a fiscalização orçamental realizada por parte da instituição com a responsabilidade do controlo e auditoria é considerada “adequada”.

OBS 2017 global report PT

Relatório global

OBS 2017 global report PT

Sumário executivo

Press release

Press release

OBI 2017

Índice Portugal


Edições anteriores

OBS 2015 Relatório global (em inglês) Sumário executivo Índice do Orçamento Aberto Portugal